Superando obstáculos, compartilhando sonhos

0
46

O blog estratégia solidaria tem uma página especifica para debater e apresentar experiências de pessoas deficientes físicas que conseguem com muita força de vontade e muita solidariedade superar limitações físicas e psicológicas, tornando-se pessoas que vivem a vida como ela é, são felizes e conquistam seu espaço de admiração e respeito na sociedade.

Inicio este debate colocando um pouco de minha própria história. Perdi a visão há cinco anos atrás e já fazem quatro anos que sou renal crônico e faço hemodiálise no município de Castanhal. Não senti muito o impacto da cegueira. Consegui trabalhar até a metade de 2013 e as dificuldades se acentuaram quando perdi os rins.

De 2013 há 2015 foi complicado pois passei por momentos difíceis, as vezes internado e tomando muitas medicações que mudaram completamente a rotina do meu cotidiano. Entretanto sou uma pessoa de muita sorte, morei de setembro de 2014 a novembro de 2015 com meu filho Fábio Guimarães, minha nora Wilma e minhas netas Flávia e Emmanuele. Êta família pai d’égua, minhas netas me ajudavam a caminhar pelas ruas, puxavam brincadeira todo tempo, contavam histórias e todos me deram muito carinho.

Ao final de 2014 reencontrei Francy Sousa e imediatamente esta grande mulher começou a me animar e elevar minha autoestima, namoramos e neste período entrei na fila do transplante. A médica coordenadora dos transplantes me encaminhou para acompanhamento de uma psicóloga, foi quando conheci Dra. Kelly, estas duas mulheres me orientaram muito para que eu pudesse reaprender diversas atividades que eu estava desaprendendo, foi assim que procurei a escola alvares de Azevedo numa tentativa de estudar para me reabilitar profissionalmente, mas não consegui vaga.

Nesse período conheci Rosivaldo um cego pedagogo e comunicador, jovem, alegre e muito peralta que me apresentou ao time de futebol de cinco, alguns atletas de lutas marciais e ao espaço braile no CENTUR. Assim conheci o bibliotecário Pedro Neto, um grande irmão que vem me ajudando a utilizar o programa Dosvox e iniciar o aprendizado da linguagem braile. Me enturmei com outros cegos e hoje tenho uma rotina de vida social muito feliz. Desenvolvo minhas atividades profissionais e militantes de forma prazerosa e com muita convicção, tenho uma compreensão de mundo com muito mais solidariedade e consciência de classe.

A perseverança, o amor e a solidariedade dessas pessoas foram decisivas para que eu me tornasse novamente uma pessoa comunicativa e um técnico com habilidades para compartilhar sonhos e a utopia de uma sociedade livre, soberana e socialista.

Compartilhar
Artigo anteriorQuerem eliminar Lula da vida pública
Próximo artigoNosso inimigo não está na esquerda!
Ex-deputado estadual e presidente do Partido dos Trabalhadores no Estado do Pará. Pretende opinar sobre conjuntura política, econômica, meio ambiente e outros acontecimentos. Sempre com uma visão crítica.

Sem comentários